28 janeiro, 2015

Delegacia da Pessoa com Deficiência inaugura nova sede


Desde que foi criada, em junho passado, a unidade especializada já atendeu diretamente 412 casos – foram lavrados 90 boletins de ocorrência e instaurados 34 inquéritos –, além de acompanhar as denúncias que chegam pelo serviço Disque 100 e pelos boletins de ocorrência de todo o Estado de São Paulo.

Também a partir de junho, os B.O. registrados pela polícia paulista passaram a detectar se a vítima tem algum tipo de deficiência. Responsável por apurar essas estatísticas, a delegacia especializada contabilizou8.607 registros no estado, entre os meses de maio  e outubro.

A Delegacia de Polícia da Pessoa com Deficiência opera com modelo diferenciado e conta com um Centro de Apoio integrado por assistentes sociais, psicólogos, intérpretes de Libras (para atender aos surdos), cientista social e recursos de tecnologia assistiva, que facilitam o acesso a informações para pessoas com deficiência visual.

Dentro desta nova proposta, além do atendimento direto aos casos que chegam pessoalmente à delegacia, os policiais e a equipe multidisciplinar oferecem suporte remoto ou presencial a outros distritos policiais, realizam visitas domiciliares e encaminham as vítimas para serviços de proteção social.

Outra tarefa da equipe é informar os policiais sobre as características da violência contra pessoas com deficiência e capacitá-los para melhor atender as vítimas com este perfil. Mais de 300 alunos da Academia de Polícia (Acadepol) já passaram por esse treinamento.

A delegacia especializada é o resultado de uma parceria entre as secretarias estaduais da Segurança Pública e dos Direitos da Pessoa com Deficiência. O Centro de Apoio é gerido pela Organização Social Casa de Isabel, que há vinte anos atua no enfrentamento à violência contra mulheres, crianças e adolescentes.

Serviço:
Delegacia de Polícia da Pessoa com Deficiência – DPPD
Rua Brigadeiro Tobias, 527 – térreo (próximo à estação Luz do metrô - linhas Amarela e Azul)
2ª a 6ª feira – 9h às 18h
Tel.: (11) 3311.3380 / 3311.3383 / 3311.3381
e-mail: violenciaedeficiencia@sedpcd.sp.gov.br
Skype: apoio_dppd

fonte: http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br/

25 janeiro, 2015

Vídeo: Olhar a deficiência com os olhos de uma criança

A associação Noemi , uma ONG francesa, quer mudar a forma como a sociedade olha para as pessoas com deficiências múltiplas. Sua missão? Melhoria de vida dessas pessoas. A associação quer que a gente olhe para essas pessoas de uma forma positiva e as respeite.

Para saber mais: www.noemi.asso.fr

Em uma espécie de experimento social, pais e filhos foram convidados a asistir um vídeo no qual diferentes pessoas fazem caretas. Ambos deveriam imitar as caras e bocas que viam na tela. Muitas risadas e uma garota com deficiências múltiplas aparece fazendo caretas. E o que acontece?
Veja o vídeo...



20 janeiro, 2015

Investigadores criam aparelho para surdos que permite «ouvir pela língua»

Um dispositivo desenvolvido por investigadores da CSU (Universidade do Estado do Colorado), dos EUA, permite que pessoas com deficiência auditiva ouçam com um dispositivo Bluetooth, que deve ser colocado na língua. As informações são do jornal britânico The Telegraph.

Com o dispositivo (ainda sem nome), os cientistas envolvidos dizem que este deve ser uma solução mais acessível que os implantes cocleares, que consistem numa intervenção cirúrgica para colocar um dispositivo electronico no ouvido da pessoa.
«Implantes cocleares são eficazes e transformaram a vida de muitas pessoas, porém não é para todos. Achamos que o nosso aparelho funcionará tão bem quanto esses já disponíveis, mas ajudará mais pessoas, pois custa menos», disse John Williams, professor do departamento de engenharia mecânica da universidade, sem especificar quanto custaria uma versão comercial do dispositivo.
Os implantes cocleares captam som de fora do corpo e transmitem-no para o sistema auditivo. O aparelho da universidade norte-americana utiliza um pequeno microfone sem fios que envia esses sinais através dos nervos da língua. De acordo com Williams, leva entre três a quatro semanas a aprender a «escutar» desta nova forma.
O protótipo produzido pela equipe de pesquisa é grande, mas eles acreditam que vão conseguir reduzir consideravelmente o aparelho, de modo que fique escondido na boca.

Fonte: Diário Digital

11 janeiro, 2015

ACAMPAMENTO SURDOS URUGUAI

ACAMPAMENTO SURDOS URUGUAI
IDADE: 18-30 anos
Dia: 28 fevereiro ate 8 de março 
Inscrição: +- 70 dólares

Passagem+alimentação: Seu bolso.

Inscrição Uruguai até o dia 15/01. 

Compartilhe para outros jovens brasileiros.

Enviar o email, se quiser participar ser representante do Brasil:
cnjs.coordenacao@gmail.com



29 dezembro, 2014

Filmes financiados com recurso público terão de ter legenda descritiva e Libras

Os filmes e demais produções audiovisuais financiadas com recursos públicos deverão ser acessíveis a pessoas com deficiência visual e auditiva. Para isso, deverão fornecer legenda descritiva, audiodescrição e Língua Brasileira de Sinais (Libras). A definição é parte de instrução normativa da Agência Nacional do Cinema (Ancine) e vale para todos os projetos aprovados a partir da data da publicação, dia 18 de dezembro.

O documento passou por consulta pública entre abril e maio deste ano. A instrução normativa estabelece que projetos de produção audiovisual financiados com recursos da Ancine deverão contemplar esses serviços em seus orçamentos. Materiais entregues para fins de depósito legal em sistema digital devem conter os mesmos serviços em canais dedicados a dados, vídeo e áudio que permitam seu desligamento ou acionamento.
 
Segundo a Ancine, em 2015 e 2016, será regulamentada a exibição em salas de cinema, que terão de se adequar para tornar possível o acesso à legenda descritva, audiodescrição e Libras.

Conforme a agência, a acessibilidade já é adotada como critério nas chamadas públicas do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), destinado ao desenvolvimento articulado da cadeia produtiva da atividade audiovisual no Brasil. O Programa Cinema Perto de Você desonera de tributos a importação de equipamentos relacionados à promoção de legendagem e audiodescrição.

Além disso, o Prêmio Adicional de Renda (PAR-Exibição), que contempla complexos com até duas salas pela volume e diversidade de filmes brasileiros exibidos, condicionou o prêmio oferecido aos vencedores deste ano à aplicação em projetos de digitalização ou de adaptação das salas ao acesso de pessoas com deficiência.

De acordo com o censo do Instituto Brasileiros de Geografia e Estatística (IBGE), no Brasil há 6,5 milhões de pessoas com deficiência visual. Destas, 500 mil são cegas. Os que têm grande dificuldade de audição somam 1,8 milhões, enquanto aqueles com alguma dificuldade alcançam 7,6 milhões. Os surdos são 344 mil.

fonte: Agência Brasil

01 dezembro, 2014

filme: Mr. Holland - Meu adorável professor

Quem assistiu ao filme Adorável professor (Mr. Holland,1995) deve lembrar do professor cuja musica é a sua vida e quis o destino que seu primeiro e único filho nascesse surdo. Um dos diálogos mais marcantes da produção é a cena na qual o adolescente percebe que o pai está triste e pergunta o motivo e o pai responde que ele não vai entender. São os entraves da comunicação. A não aceitação? A temática central não é a surdez nem a relação pai/filho, mas quase no final do filme, o pai faz uma homenagem ao filho e em uma apresentação da escola onde leciona, canta e faz em língua de sinais uma música e a dedica ao filho. 
Fica a dica de filme. Assista com uma caixa de lenço de papel do lado do sofá.